Queimaduras: como prosseguir?

As queimaduras são lesões que acometem os tecidos devido à algum trauma elétrico, químico, térmico ou radioativo. O acometimento pode ser parcial ou total na pele e seus anexos.

  • Classificação quanto à profundidade das lesões
https://segredosdomundo.r7.com/queimadura/

Primeiro grau – atinge somente a epiderme

https://saude.umcomo.com.br/artigo/como-identificar-uma-queimadura-de-primeiro-grau-14164.html        

Segundo grau – atinge também a derme

https://pt.quora.com/Uma-queimadura-de-segundo-grau-pode-causar-uma-parada-card%C3%ADaca-O-que-aconteceria-neste-caso

Terceiro grau – atinge totalmente a pele e se estende até o subcutâneo

https://jornaldetodos.com.br/2019/06/28/queimadura-de-1o-2o-e-3o-grau-diferencas-como-tratar-e-o-que-nao-fazer/

Quarto grau – atinge músculos e tecidos mais profundos

https://www.scielo.br/pdf/rbcp/v26n1/32.pdf

  • Superfície corporal queimada
https://www.einstein.br/doencas-sintomas/queimaduras#:~:text=Regra%20dos%20nove%3A%20%C3%A9%20atribu%C3%ADdo,tronco%20costas%20%2D%2018%25

‘’Regra dos 9’’ – cada segmento do corpo recebe um valor 9 ou múltiplo dele para o cálculo da superfície total queimada.

O cálculo da superfície total queimada (STQ) é feito por % e se dá a partir da soma dos segmentos dos corpos atingidos pela queimadura.

  • Avaliação inicial do paciente

Avaliar as vias aéreas e a respiração, interromper o processo de queimadura caso ainda esteja ativo, acesso venoso e repor volemia, tratar as feridas geradas, controlar a dor do paciente e, dependendo do caso, administrar toxóide tetânico.

  • Indicação para intubação nos pacientes queimados

Na presença de sinais que indiquem obstrução das vias aéreas (rouquidão, estridor, uso da musculatura acessória para respirar, retração do esterno), área extensa atingida pela queimadura (>40% a 50%), queimaduras profundas ou queimaduras localizadas internamente na cavidade oral, edema grave ou risco de edema, dificuldade para engolir, sinais que indiquem comprometimento respiratório (má oxigenação ou ventilação, incapacidade de limpar secreções), redução do nível de consciência pois os reflexos de proteção das vias aéreas estão prejudicados.

  • Como é feito o acesso venoso e a reposição volêmica em pacientes queimados

Realizar dois acessos periféricos calibrosos (sempre evitando a área queimada), usar preferencialmente sempre o Ringer Lactato, monitorar a diurese do paciente através do cateter vesical.

Para saber a quantidade de líquido necessário a ser infundido durante 24 horas, utilizamos a Fórmula de Parkland.

Fórmula de Parkland = peso x SCQ% x 4mL

A partir do resultado obtido pela fórmula, é infundido metade do líquido nas primeiras 8 horas, 25% do líquido nas próximas 8 horas e 25% nas outras 8 horas.

  • Tratamento da ferida

As queimaduras de primeiro grau são tratadas com anestésicos tópicos e/ou administração de anti inflamatórios.

As queimaduras de segundo grau e terceiro são tratadas a partir da limpeza com soro fisiológico, pomadas bactericidas e curativos estéreis.

No caso de queimaduras circunferenciais é necessário realizar uma escarotomia, onde são retirados os tecidos gravemente afetados e também serve para aliviar a pressão, dependendo do tipo da lesão.

Lembrar de, em qualquer tipo de queimadura, retirar jóias relógios e tecidos inflamáveis que possam estar presentes.

  • Um pouco sobre as queimaduras químicas

As queimaduras químicas podem ser classificadas em ácidos, quando ocorre necrose por coagulação, ou álcalis, quando ocorre necrose por liquefação (geralmente essa mais grave).

Dois pontos muito importantes durante o atendimento de um queimado por esse tipo de queimadura é remover o agente causador mais rápido possível para evitar que piore a lesão e proteger adequadamente toda a equipe que está trabalhando no atendimento.

  • Um pouco sobre as queimaduras elétricas

Normalmente são mais profundas do que aparentam, logo mais graves também.

Ocorre muita lesão muscular e como conseqüências, rabdomiólise, mioglobinúria e insuficiência renal aguda.

O tratamento tem como base a oxigenação do paciente, hidratação venosa, realizar um eletrocardiograma para analisar possíveis danos no coração e uso de cateterismo vesical para controlar a diurese.

Referências:

Sabiston Textbook of Surgery, 20ª edição, Towsend and Beauchamp. Clínica Cirurgica USP, editora manole, 2 volumes. Cirurgia Torácica.

https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cartilha_tratamento_emergencia_queimaduras.pdf

https://www.einstein.br/doencas-sintomas/queimaduras#:~:text=Regra%20dos%20nove%3A%20%C3%A9%20atribu%C3%ADdo,tronco%20costas%20%2D%2018%25

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: