Os impactos do consumo de álcool no organismo

O álcool presente nas bebidas alcoólicas é o ETANOL que constitui um grande grupo de compostos orgânicos e um grupo hidroxílico. Ele é uma molécula solúvel, explicando o porquê a cinética de digestão e absorção no corpo pode ser simples visto que é facilmente distribuída para todos os tecidos.

Quando consumimos bebida alcoólica, o álcool já está dissolvido. Então, ele é facilmente absorvido, começando esse processo na boca. Após, ele chega ao estômago onde uma porção considerável de 10 a 20% é absorvida e o restante é absorvido pelo intestino (sendo esse o principal órgão).

Sabemos que o álcool não é nutriente necessário, esse é dispensável do ponto de vista metabólico, sendo considerado como uma molécula tóxica para o organismo. Então, a resposta do corpo sempre será detoxificar, pois é uma molécula estranha (um xenobiótico). Com isso, entra o papel do fígado de metabolizar e amenizar esse impacto, sendo que no processo de metabolização a primeira molécula formada é o acetoaldeido (que é mais tóxico do que o álcool), depois ele é transformado em acetato que ligado a coenzima A forma o Acetil-CoA. Esse Acetil-CoA está ligado com a síntese de ácido graxo, ou seja, produzindo mais Acetil-CoA ocorrerá maior acúmulo de gordura corporal.

OBS: Se o fígado estiver comprometido a metabolização pode ser comprometida ou o álcool pode comprometer o estado do órgão.

Todos esses processos enzimáticos são dependentes do NAD+ e quanto mais etanol você possuir no corpo, mais transformação em acetoacetato irá ocorrer e a capacidade de NAD+ diminui. Então, quanto maior o consumo de etanol maior o consumo de NAD+. Contudo, esse NAD+ utilizado é essencial para o processo de glicólise e caso não esteja disponível não há quebra de glicose.

OBS: Hepatopatas não podem fazer uso de álcool de forma nenhuma, assim como indivíduos que fazem o uso de medicamentos hepatotóxicos.

Aposto que você já ouviu falar que não é para beber de estômago vazio. Mas por que não é interessante? Porque a taxa de esvaziamento gástrico é quem define a velocidade com que o álcool chegará na corrente sanguínea. Se o esvaziamento gástrico ocorre de forma mais rápida, o álcool passará do estômago para o intestino mais rapidamente e, consequentemente, atingirá a circulação sanguínea mais rápido e os efeitos de embriaguez chegarão rapidamente. Então, existe a relação do esvaziamento gástrico com a disponibilidade do etanol na corrente sanguínea e uma forma de atrasar a chegada do álcool no intestino é RETARDAR O ESVAZIAMENTO GÁSTRICO.

Cada grama de álcool fornece 7Kcal. Então, percebemos que ele possui um alto valor calórico, mas essa caloria é considerada “vazia” pois não tem nutrientes. No entanto, os problemas associados ao consumo excessivo de bebidas alcoólicas vão além das calorias.

  • A molécula em si é irritante para a superfície estomacal e intestinal, podendo causar erosões superficiais, hemorragias, paralisia do músculo estomacal (quem tem alguma inflamação na mucosa do trato gastrointestinal deve evitar o álcool);
  • Pode levar ao aumento de hormônios orexígenos (após o consumo de bebidas alcoólicas, a pessoa pensa apenas em produtos altamente palatáveis.. quem nunca bebeu e comeu um fast food depois?).
  • Aumenta a adrenalina e, consequentemente, a taquicardia e o risco de doenças cardiovasculares.
  • Aumenta a produção de cortisol (hormônio catabólico que degrada massa muscular e acumula gordura na região abdominal) e a secreção de dopamina (gerando ciclo vicioso).
  • Diminui a secreção de GH noturno e a síntese proteica noturna.
  • Aumenta a produção de insulina pelo pâncreas, agravando o risco de hipoglicemia.
  • Diminui a produção de testosterona (hormônio anabólico), diminuindo a síntese proteica.
  • Diminui a serotonina que está associada a depressão.
  • Aumenta a permeabilidade intestinal (faz com que mais compostos passem por ela, podendo causar diarreia e desconfortos).

Deu para perceber que o impacto do álcool acontece no organismo como um todo e quanto maior é o índice de bebida alcoólica, maior serão as repercussões hormonais.

Para quem busca o emagrecimento, esses fatores são determinantes porque além do impacto no acúmulo de gordura corporal, o consumo de álcool diminui a massa magra devido a inibição da síntese proteica e sem falar no seu alto valor calórico. Já no caso da hipertrofia podemos ter o mesmo raciocínio uma vez que diminui a síntese proteica, diminui a testosterona e gera aumento do cortisol, além de levar a desidratação. Então, é negativo tanto para quem deseja ganhar massa muscular e para quem deseja emagrecer visto que o tecido muscular é o mais metabolicamente ativo.

Em relação ao rendimento esportivo, os estudos mostram que o consumo de álcool possui um efeito negativo pois diminui a performance, afeta a recuperação muscular e a desidratação é aumentada.

Além disso, o consumo de álcool tem uma relação com o tecido cerebral, levando a uma redução da cognição, perda de memória, cansaço e depressão. Outra coisa é que a ingestão de álcool diminui a secreção de melatonina, estando associada com a perda e qualidade do sono.

Aqui vem mais um ponto importante.. afinal, quem nunca bebeu para “relaxar” (alô, vinho)? O álcool realmente atua nos receptores de GABA, o principal neurotransmissor inibitório no cérebro e o resultado é a sensação de bem estar. Porém, o exagero pode levar ao efeito oposto, aumentando a ansiedade e gerando os prejuízos ao sono devido a redução da secreção de melatonina e serotonina.

Existe limite seguro para o consumo de álcool? Não, porém, o prejuízo dependerá de individuo para indivíduo. O consumo de bebida mesmo que moderado promove o aumento da pressão arterial e está associado ao aumento do risco de acidentes vasculares. Estudos mostram que 2 copos de cerveja por dia aumentam de 10 a 15% o risco de doenças cardiovasculares e quando a quantidade dobra esse risco vai para 35%.

Então, o segredo é o BOM SENSO e a MODERAÇÃO. Está tudo bem beber, afinal faz parte do contexto social de todo mundo, mas o equilíbrio é muito importante (sem terrorismo, galera!). Quando for confraternizar tenha cautela, NUNCA esqueça da água para ir intercalando (afinal, ninguém quer ficar com aquela ressaca no dia seguinte) e nada de beber de estômago vazio.

Referências:

BARNES, MATTHEW J. Alcohol: Impact on Sports Performance and Recovery
in Male Athletes
. Sports Med (2014) 44:909–919.

BADRCIK, E. et al. The Relationship between Alcohol Consumption and Cortisol Secretion in an Aging Cohort. J Clin Endocrinol Metab. 2008 Mar; 93(3): 750–757.

DUPLANTY, A. A. et al. Effect of acute alcohol ingestion on resistance exercise-induced mTORC1 signaling in human muscle. The Journal of Stregth and Conditioning Research. V. 31, n. 1, January 2017.

FEIGE, B. et al. Effects of alcohol on polysomnographically recorded sleep in healthy subjects. Alcohol Clin Exp Res. 2006 Sep;30(9):1527-37.

MINZER, S.; LOSNO, R. A.; CASAS, R. The effect of alcohol on cardiovascular risk factors: is there new information? Nutrients 2020, 12, 912; doi:10.3390/nu12040912.

PARR, E. B. et al. Alcohol ingestion impairs maximal post-exercise rates of myofibrilar protein synthesis folowing a single bout of concurrent training. Plos One. February 2014, v. 9, i. 2, e88384.

Sernizon Guimarães, N. Silva de Aguiar Nemer, A. Arlene Fausto, M. Influência do consumo de álcool nas alterações antropométricas: uma revisão sistemática. Nutr. clín. diet. hosp. 2013; 33(3):68-76.

VIERA, JOANA MARGARIDA FERNANDES. Metabolismo do Etanol. Universidade Fernando Pessoa – Faculdade Ciência da Saúde. Porto, 2012.

YEOMANS, M. R. Alcohol, appetite and energy balance: is alcohol intake a risk factor for obesity? Physiol Behav. 2010 Apr 26;100(1):82-9. doi: 10.1016/j.physbeh.2010.01.012.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: