O que é Personalidade?

Quantas vezes você já ouviu alguém falar: “Esse cara não tem personalidade” ?

Ou aquela famosa frase: “Isso forma caráter” ?

Em geral as pessoas têm definições pouco precisas sobre o que é a personalidade. Como é um conceito complexo, a tendência é que haja muita confusão. Geralmente ela é associada simplesmente à moral e força de vontade.

A discussão sobre a personalidade vem sendo tratada já há algum tempo pela filosofia, medicina, psicologia, biologia e muitas outras áreas.

Pois bem, como podemos definir a Personalidade?

A palavra origina-se do grego “persona”, uma máscara usada por atores em peças teatrais, que interpretavam diversos personagens.

Ela é definida como conjunto de características que explica o modo próprio como o indivíduo responde a estímulos do ambiente, incluindo suas emoções e escolhas individuais. (BUSATTO,2006).

Basicamente a personalidade diz respeito a tudo aquilo que nos torna singulares do ponto de vista mental. Ela é nossa impressão digital no mundo, aquilo que nos confere individualidade. É a maneira única de articular nossos afetos, interpretações e ações.

Quais são as características da personalidade?

Vários autores como Freud e Jung escreveram sobre os componentes da personalidade ao longo dos últimos séculos. Todos os modelos teóricos englobam dois aspectos importantes: qualidade das expressões afetivas e reatividade dos individuos aos estímulos.

As características da personalidade podem ser divididas entre inatas e desenvolvidas (Cloninger,1998).

As características inatas dizem respeito ao nosso temperamento e estão mais relacionadas a fatores genéticos. Mas elas podem ser modulaveis e a manifestação das mesmas vai depender de como o indivíduo lida com o próprio temperamento ao longo de sua vida.

O temperamento é dividido em quatro dimensões: Procura de novidade, fuga de injúria, dependência em reforço e persistência (PASQUALI,2000). Também há a famosa abordagem de correlação simbólica com a divisão dos temperamentos entre fleumaticos, melancólicos, coléricos e sanguíneos. O tópico dos temperamentos merece ser abordado de forma mais específica. Mas por agora é importante deixar claro que, por mais que eles reflitam uma tendência, não devem ser encarados como limitadores, mas sim como ferramenta de autoconhecimento.

As características desenvolvidas estão relacionadas ao caráter, que é o conjunto de comportamentos, vivências, experiências e hábitos que o indivíduo adquire durante sua vida. Aqui entram a convivência familiar, os relacionamentos, educação, cultura, etc. Como não há um único ser humano que tenha exatamente as mesmas experiências de outrem, conseguimos perceber que não há como existir uma personalidade igual a outra.

Nossa cognição, afetividade e relações estão ligadas à forma de nossa personalidade e ditam como vamos reagir aos problemas, como agimos e como desenvolvemos nossos interesses neste mundo.

E por mais que você já tenha certa idade (clube dos 30, estou quase lá) e haja características presentes em sua personalidade que você talvez não goste, saiba de uma coisa: a personalidade é modificável. Mesmo que ela atinja uma certa estabilidade na vida adulta, sempre é possivel se desenvolver, de forma até mesmo inesperada. E assim abrir espaço para a mudança e o aprimoramento diante de situações adversas.

Quer saber como é possivel desenvolver nossa personalidade?

Então não perca o próximo artigo!

Gostou do texto? Curta e compartilhe com seus amigos. Até a próxima!

* Referencias bibliográficas:

Cloninger, C. R. (1998). The genetics and psychobiology of the seven-factor model of personality. In K. R. Silk (Ed.), Review of psychiatry series. Biology of personality disorders (p. 63–92). American Psychiatric Association.

SADOCK, Benjamin J., et al.. Compêndio De Psiquiatria: ciência do comportamento e psiquiatria clínica. Ciência do Comportamento e Psiquiatria Clínica. Artmed, 2016.

POWELL, Arthur E.. O Corpo Mental.  Pensamento, 1996.

Publicado por luizgcoimbra

Sou medico, formado pela Universidade Federal Fluminense e futuro psiquiatra. Em minha prática busco sempre associar conhecimento de outras áreas, como filosofia, ao conhecimento médico para que consiga ver a saúde de forma mais completa. Tenho um gosto especial por leitura, meditação e todas as práticas que envolvem uma vida saudável. Acredito que a comunicação é a nossa principal ferramenta como profissionais e devemos usá-la da melhor maneira para levar conhecimento a todos. Se quiser conhecer melhor meu trabalho, me siga no Instagram: instagram.com/luizgcoimbra

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: